Navigation – Plan du site
DMS et la revue "Ação Midiática"

Nos ombros de gigantes : uma homenagem a Geneviève Jacquinot-Delaunay

Standing on the shoulders of giants: a tribute to Geneviève Jacquinot-Delaunay
Rosa Maria Cardoso Dalla Costa et Lia Raquel Oliveira

Texte intégral

Standing on the shoulders of giants: a tribute to Geneviève Jacquinot-Delaunay

1This edition of Ação Midiática journal presents a special dossier composed of the translation of fourteen writings previously published in December 2014 in the 8th issue of the French journal Distances et Médiations des Savoir which was dedicated to the French teacher and researcher Geneviève Jacquinot-Delaunay. The proposal for translating these writings is to make known, in Portuguese, the thoughts from one of the twentieth century pioneers in the study of the relations between communication, technology and education.

2 Distances et Médiations du Savoir not only pays tribute to Jacquinot through the publication of an issue inspired by her, but it also questions, promotes reflections and updates of her work through French researchers’ writings that deal with the theme (Distance Learning) and relate their own investigative objects with Jacquinot’s texts.

3 This translation could have a subheading that went beyond a mere translation inspired by Jacquinot (1977, 1981) and Tardy (1966) ; On demandera toujours des inventeurs qui gardent la trace de leurs prédécesseurs. In other words, we will always need inventors that stand on the shoulders of their predecessors. Giants usually lower their shoulders to get closer to the others, but they are still tall and keep looking further ahead.

  • 1 Original: “Um movimento científico não vive das suas aplicações, mas das suas evoluções; não dos se (...)

4Christian Metz who was Jacquinot’s Doctoral advisor stated the following at the preface of the work Image et Pédagogie : “A scientific movement does not live for its applications, but for its evolutions ; not those of its disciples, but of its followers”1 (in Jacquinot-Delaunay, 2006a, p. 10). We accept this challenge.

5Throughout the 20th century, every new technological device related to communication was applied to education and followed by passionate speeches about the modernization, the innovation and the changes of a paradigm (an expression that usually has the sense of a current model).

  • 2 Original: Um media empurra o outro e cada novo gadget constitui ocasião para recolocar a pseudo-que (...)

One media pushes another and every new gadget provides the occasion to bring back a fundamental pseudo-question: “Will media X change education?” All or almost all the answers are reduced to the defense or the illustration of the machine in question : it is presented by the technologist as useful, and in the best-case scenario its educational use is postulated in terms of society’s goal. The range of available media testifies the passion for innovation that characterizes the education nowadays. And, yet… we always need inventors2 (Jacquinot, 1981, p. 5).

6The relevance and clearness of the authors’ thoughts does not end here. Her multiple, clairvoyant and sober insights justify them.

7This translation proposal results from the fact that both a Portuguese and a Brazilian teachers had worked close with Geneviève Jacquinot-Delaunay. In addition, they both had been her PhD advisees at the University of Vincennes, Paris 8. What we were able to learn surpasses the limitations in this nature of work, but its diffusion seems to be of greater importance, and even urgency. The translated authors bring concepts first introduced by Geneviève Jacquinot-Delaunay to an up-to-date discussion. They agree, question, problematize : they promote the advancement of knowledge.

  • 3 Original: Escolher uma pedagogia não é somente definir uma forma local de intervenção, é situar-se (...)

Choosing a pedagogy is not only to define a local model of intervention, it is also to situate oneself in society and culture, it is to take position and to make choices whether implicitly or explicitly. The pedagogical problems, just like others, are in a given level of analysis, political problems3 (Jacquinot-Delaunay, 2006a [1977], p. 32).

8Jacquinot-Delaunay was always provocative, as suggests the special issue of the French journal that we present in Portuguese here. She was always ahead of her time and concerned with changes that had been introduced in society by the twentieth century technologies :

  • 4 Original: Há uma real impostura ao sustentar-se que o audiovisual [leia-se digital, por exemplo, no (...)

There is a real imposture on sustaining that audiovisual [for instance, read digital instead of audiovisual, authors’ note] – as it is said – it is a factor of “innovation”, of “renovation” or of “revolution” on education when, in fact, in most times it serves to reinforce the most traditional pedagogical models. The modernity of new mediums does not guarantee anything. It happens because the medium is one variable among many others in the educational process ; because the device itself does not guide to anything, except to the possibility of change4 (idem, p. 123).

9Jacquinot-Delaunay was graduated in Literary Studies and started teaching French and literature in a French public primary school class during the Sixties. At that time, she realized that her students were in ‘another planet’, as she mentioned in 2007 during an interview for the Comunicação & Educação journal (Comunicação & Educação. ECA-USP. Ano 12, n. 3 (set-dez. 2007), p. 73-80). Then she took part in a contest promoted by the School Television and, after winning, she started to work as educator and author-creator of pedagogical settings in TV shows (Dalla Costa, 2007, p. 73-74).

10This experience drove her to her Doctoral studies at the École des Hautes Études en Sciences Sociales, under Christian Metz’s supervision. In 1969 she was invited by the founders of the new University Paris 8 – Vincennes, which was created as a result of the events in 1968 – to teach at the Department of Sciences of Education. There, she studied the communication-education interface, questioning methodologies and proposing analysis for the use of technology at school. She advised thesis of Education Sciences, and after 1995 of Information and Communication Sciences. She was able to perfectly dialog in both areas (cf. Jacquinot-Delaunay, 2006b), and, she knew how to relate them as no one else.

11Her interest for technology also drove her to make researches in the field of distance learning, especially in what refers to pedagogical mediation. She wrote several articles and books about it, such as the text Absence and presence in pedagogical mediation : “Rien ne vaut la chaleur de la présence humaine” (Jacquinot-Delaunay, 2002), which inspired one of us to state what follows :

  • 5 Original: A distância transacional não é exclusiva do ensino a distância; ela existe em todos os re (...)

The transnational distance is not exclusive of the distance learning; it exists in all human relationships and, through a centennial historical praxis, it is particularly revealed in the classroom. Both the standard classroom (suffice to say a masterful class in an auditorium) and the virtual classroom (a lecture given through a synchronous or an asynchronous videoconference) (Oliveira, 2015, p. 174).5

12Her goal was to understand whether it would be possible to improve or upgrade the learning process through technologies which are more and more present within society, as the following quote states.

  • 6 Original: Assim, à questão de se saber se este ou aquele meio é mais eficaz do que um outro, convir (...)

Thus, the point is not to know whether a media is more effective than another, but to understand which attributes of each medium are better to foster the educational process due to students’ characteristics and considering the task to be accomplished. Such kind of investigation has only begun to be done now6(Jacquinot-Delaunay, 2006a [1977], p. 125).

13Jacquinot-Delaunay passed away when she was fully living her academic life in December 2014. Her death left as orphans about twenty teacher-researchers, who were her former advisees. She also left a void in the intellectual French circle which used to treat her as a true lady of the Science of Education. Open-minded, especially to knowledge, she was always able to travel and write in partnership with her advisees and colleagues. She used to practice what her theoretical legacy expresses so well :

  • 7 Original: O modelo didático tradicional faz do ato didáctico um ato de transmissão de um saber cons (...)

The traditional didactic model makes the didactic act an act of knowledge transmission constituted by someone who knows towards someone who does not know, according to a narrowly determined itinerary. The image, and namely the filmic image, is particularly suitable to serve another didactic modal – creative and not only structural – what makes the didactic act a process of meaning production7 (idem, p. 18).

14The texts presented here particularly deal with distance learning. Each author associates his own researches with Jacquinot-Delaunay’s writings regarding the theme and allowing us to develop a deep thinking about the idea of distance, the available methodologies and even the representation that the distance learning students have about the education received. These approaches are described in Martine Vidal, Monique Grandbastien and Pierre Moeglin’s editorial. The reading of each text will surely give rise to concerns in those who understand that it is necessary to question the use of technologies in education, just like Jacquinot-Delaunay did. In other words, Jacquinot-Delaunay keeps doing what she always did to produce knowledge – now through her writings – ; provoke ! What remain are her presence and her transmitted knowledge, always looking for new inventions.

Nos ombros de gigantes : uma homenagem a Geneviève Jacquinot-Delaunay

15A revista Ação Midiática apresenta neste número um dossiê especial composto pela tradução de 14 textos publicados no número 8 da revista francesa Distances et Médiations du Savoir, de dezembro de 2014, dedicado à professora e pesquisadora francesa Geneviève Jacquinot-Delaunay. A proposta e a tradução destes textos tem como objetivo principal tornar mais conhecido, em língua portuguesa, o pensamento desta que foi uma das pioneiras no estudo da relação entre comunicação, tecnologia e educação, ainda em meados do século vinte.

16Distances et Médiations du Savoir faz mais do que homenagear Jacquinot, ao compor um número inspirado nela, com textos de diversos pesquisadores franceses que tratam o tema – a EaD – relacionando seus próprios objetos investigativos com os textos da autora, questionando-os algumas vezes, propondo reflexões e atualizações de sua obra.

17Poderia esta tradução ter um subtítulo para além do simples traduzido : On demandera toujours des inventeurs qui gardent la trace de leurs prédécesseurs –inspirado em Jacquinot (1977, 1981) e Tardy (1966), ou seja, precisamos sempre de inventores que caminhem nos ombros dos seus predecessores. Os gigantes costumam baixar os ombros para se aproximarem dos outros, mas continuam sendo grandes e olhando mais longe.

18Dizia Christian Metz – orientador de tese de doutorado de Jacquinot – no prefácio à obra Image et Pédagogie : “Um movimento científico não vive das suas aplicações, mas das suas evoluções ; não dos seus ‘discípulos’, mas dos seus continuadores” (in Jacquinot-Delaunay, 2006a, p. 10). Atrevemo-nos a esse desafio.

19Ao longo do século XX, toda a novidade tecnológica ligada à comunicação acabou por ser aplicada à educação, acompanhada por discursos bastante apaixonados sobre a modernização, a inovação e a mudança de paradigma (expressão habitualmente aplicada no sentido corrente de modelo).

Um media empurra o outro e cada novo gadget constitui ocasião para recolocar a pseudo-questão fundamental : “O media X vai transformar o ensino ?” As respostas reduzem-se todas, ou quase todas, a uma defesa ou ilustração da máquina em questão : esta é apresentada pelo tecnólogo como útil, e o seu uso educativo, na melhor das hipóteses, é postulada em termos de objetivo da sociedade. A gama de meios disponíveis testemunha a paixão pela inovação que caracteriza a educação hoje. E, contudo… precisamos sempre de inventores. (Jacquinot, 1981, p. 5).

20Não se esgota aqui a pertinência e clareza do pensamento da autora. São os seus múltiplos, clarividentes e sóbrios insights que o justificam.

21Esta proposta de tradução resulta do fato de ambas – uma professora portuguesa e outra brasileira – termos trabalhado de perto com Geneviève Jacquinot-Delaunay e de termos sido suas doutorandas, na Universidade de Vincennes, Paris 8. O que pudemos com ela aprender ultrapassa os limites de um trabalho desta natureza, mas a difusão da sua obra parece-nos da maior importância e mesmo urgência. Os autores traduzidos discutem na atualidade os conceitos introduzidos por Geneviève Jacquinot-Delaunay. Concordam, questionam, problematizam : avançam no conhecimento.

Escolher uma pedagogia não é somente definir uma forma local de intervenção, é situar-se na sociedade e na cultura, é, implícita ou explicitamente, tomar posição, fazer escolhas. Os problemas pedagógicos, como os outros, são, num determinado nível de análise, problemas políticos. (Jacquinot-Delaunay, 2006a [1977], p. 32)

22Jacquinot-Delaunay sempre foi provocativa, como sugere o número especial da revista francesa cujos textos apresentamos aqui em língua portuguesa. Sempre esteve adiante do seu tempo e sempre se inquietou com as mudanças que as tecnologias do século vinte introduziram na sociedade :

Há uma real impostura ao sustentar-se que o audiovisual [leia-se digital, por exemplo, no lugar de audiovisual, nota das autoras] – como se diz – é um fator “de inovação”, de “renovação” ou de “revolução” no ensino quando, na realidade, serve, na maioria das vezes, para reforçar os modelos pedagógicos mais tradicionais. A modernidade dos suportes não garante nada. Porque o medium é uma variável entre muitos outros no processo educativo ; porque a ferramenta em si mesmo não conduz a nada, senão a uma possibilidade de mudança (idem, p. 123).

23Formada em Estudos Literários, Jacquinot-Delaunay iniciou no magistério como professora de francês e literatura em uma classe de ensino fundamental, da escola pública francesa, na década de 1960. Foi quando percebeu que seus alunos “estavam em outro planeta”, como disse em entrevista à revista Comunicação & Educação (2007, p. 73-80). Foi então participar de um concurso promovido pela Televisão Escolar e, ao vencer, começou a trabalhar nas funções de educadora e de autora-criadora de cenários pedagógicos em programas televisivos (Dalla Costa, 2007, p. 73-74).

24Essa experiência a motivou a fazer o doutorado, sob a orientação do professor Christian Metz, na Escola de Hautes Etudes em Sciences Sociales. Em seguida, em 1969, foi convidada para dar aulas no Departamento de Ciências da Educação, pela equipe fundadora da nova Universidade Paris 8 – Vincennes, criada em decorrência dos acontecimentos de maio de 1968. Ali trabalhou a interface comunicação-educação, questionando metodologias e propondo análises sobre a utilização da tecnologia na escola. Orientou teses em Ciências da Educação e, a partir dos anos de 1995, em Ciências da Informação e da Comunicação. Dialogava perfeitamente nas duas áreas (cf. Jacquinot-Dealunay, 2006b) e, como ninguém, sabia como relacioná-las.

25Seu interesse pela tecnologia a levou a pesquisar também o ensino a distância, sobretudo no que diz respeito à mediação pedagógica. Escreveu inúmeros artigos e livros a respeito, como o texto Ausência e presença na mediação pedagógica : “Rien ne vaut la chaleur de la présence humaine” (Jacquinot-Delaunay, 2002) que inspirou uma de nós a afirmar :

A distância transacional não é exclusiva do ensino a distância ; ela existe em todos os relacionamentos humanos e, por via de uma praxis histórica de centenas de anos, revela-se particularmente na sala de aula. Na sala de aula presencial (basta lembrar a aula magistral em auditório) e na sala de aula virtual (palestra em videoconferência síncrona ou assíncrona) (Oliveira, 2015, p. 174).

26Seu objetivo era o de compreender como a partir das tecnologias cada vez mais presentes na sociedade, se pode melhorar ou aprimorar o processo de aprendizagem, como evidencia em sua afirmação :

Assim, à questão de se saber se este ou aquele meio é mais eficaz do que um outro, conviria substituir a seguinte questão : que atributos específicos de que medium são próprios para favorecer que processo de aprendizagem em função de que traços característicos do aluno e tendo em consideração a tarefa a cumprir. Investigações como estas começam apenas agora a fazer-se (Jacquinot-Delaunay, 2006a [1977], p. 125).

27Jacquinot-Delaunay morreu em dezembro de 2014, em plena atividade acadêmica e deixando órfãos cerca de vinte professores-pesquisadores, ex-orientandos seus. Deixou também um vazio no meio intelectual francês que a ela se referia como uma verdadeira dama da Ciência da Educação. Aberta ao novo, ao conhecimento, sobretudo, sempre se dispôs a viajar e a escrever em conjunto com seus orientandos e colegas. Fazia na prática o que seu legado teórico tão bem expressa :

O modelo didático tradicional faz do ato didáctico um ato de transmissão de um saber constituído de alguém que sabe, em direção a alguém que não sabe, segundo um itinerário estreitamente balizado. A imagem, e nomeadamente a imagem fílmica, é particularmente adequada para servir um outro modelo didáctico – gerativo e já não estrutural – o que faz do ato didáctico um processo de produção de sentido (idem, p. 18).

28Os textos aqui apresentados tratam especificamente da educação a distância. E, em cada um deles, o autor associa suas próprias pesquisas a escritos de Jacquinot-Delaunay sobre o tema, o que nos permite uma reflexão aprofundada sobre o conceito de distância, as metodologias utilizadas e mesmo a representação que os alunos dessa modalidade de ensino têm da formação que recebem. No Editorial de Martine Vidal, Monique Grandbastien e Pierre Moeglin encontram-se especificadas estas abordagens. A leitura de cada um deles certamente propiciará inquietações naqueles que, como ela, entendem que é preciso questionar o uso das tecnologias na educação. O que significa dizer, que Jacquinot-Delaunay, através de seus textos, continua fazendo o que sempre fez para produzir conhecimento : provocar ! Fica a sua presença e o seu saber transmitido, sempre em busca de novas invenções.

Dra. Rosa Maria Cardoso Dalla Costa (Universidade Federal do Paraná, Brasil)

Dra. Lia Raquel Oliveira (Universidade do Minho, Portugal)

Organizadoras do Dossiê

29*

Haut de page

Bibliographie

Dalla Costa, Rosa Maria Cardoso (2007). Entrevista com Geneviève Jacquinot Delaunay. Revista Comunicação & Educação. São Paulo : ECA-USP. Ano 12, n. 3 (set – dez. 2007), p. 73-80.

Jacquinot-Delaunay, Geneviève (2007). Entrevista à revista Comunicação & Educação. São Paulo : ECA-USP. Ano 12, n. 3 (set – dez. 2007), p. 73-80.

Jacquinot-Delaunay, Geneviève (1977). Imagem e Pedagogia. Mangualde : Edições Pedago, 2006a. Tradução e Revisão Científica por Lia Oliveira. Original : Jacquinot, G. Image et Pédagogie. Paris : PUF, 1977.

Jacquinot-Delaunay, Geneviève (2001). As Ciências da Educação e as Ciências da Comunicação em Diálogo : a propósito dos media e das tecnologias educativas, 2006b. In J. Paraskeva & L. R. Oliveira (Orgs.) Currículo e Tecnologia Educativa. volume 1. Mangualde : Edições Pedago. p. 123-141. Texto original em francês Disponível em https://www.cairn.info/revue-l-annee-sociologique-2001-2-page-391.htm. Acesso em 21 de novembro de 2016.

Jacquinot-Delaunay, Geneviève (2002). Absence et présence dans la médiation pédagogique ou comment faire circuler les signes de la présence. In : COOL, R. Guir. (ss dir de). Pédagogies en développement. Pratiquer les TICE, Former les enseignants et les formateurs à de nouveaux usages. Bruxelles : De Boeck. 2002. s/p.

Jacquinot, Geneviève (1981). On demande toujours des inventeurs, Communications, 33, p. 5-23,1981. DOI : 10.3406/comm.1981.1492

Jacquinot, Geneviève, (1993). Apprivoiser la distance et supprimer l’absence ? Ou les défis de la formation à distance. Revue Française de Pédagogie, 102, janvier-février-mars. 1993. p. 55-67.

Oliveira, Lia Raquel (2015). Rien ne vaut la chaleur de la présence humaine : encurtando a distância transacional. Educativa, Goiânia, v.18, n. 1 (2015) p. 168-188 Disponível em: http://dx.doi.org/10.18224/educ.v18.n1.2015.168-188.

Oliveira, Lia Raquel (2016). Mediação docente e distância transacional : uso do Facebook num mestrado em regime misto (b-learning). Texto apresentado oralmente no congresso ENDIPE 2016 e em fase de submissão a uma revista.

Tardy, Michel (1966). Le professeur et les images. Paris : PUF, 1966. Edição em língua portuguesa : O Professor e as Imagens, 1976, Cultrix.

Haut de page

Notes

1 Original: “Um movimento científico não vive das suas aplicações, mas das suas evoluções; não dos seus ‘discípulos’, mas dos seus continuadores”

2 Original: Um media empurra o outro e cada novo gadget constitui ocasião para recolocar a pseudo-questão fundamental: “O media X vai transformar o ensino?” As respostas reduzem-se todas, ou quase todas, a uma defesa ou ilustração da máquina em questão: esta é apresentada pelo tecnólogo como útil, e o seu uso educativo, na melhor das hipóteses, é postulada em termos de objetivo da sociedade. A gama de meios disponíveis testemunha a paixão pela inovação que caracteriza a educação hoje. E, contudo… precisamos sempre de inventores.

3 Original: Escolher uma pedagogia não é somente definir uma forma local de intervenção, é situar-se na sociedade e na cultura, é, implícita ou explicitamente, tomar posição, fazer escolhas. Os problemas pedagógicos, como os outros, são, num determinado nível de análise, problemas políticos.

4 Original: Há uma real impostura ao sustentar-se que o audiovisual [leia-se digital, por exemplo, no lugar de audiovisual, nota das autoras] – como se diz – é um fator “de inovação”, de “renovação” ou de “revolução” no ensino quando, na realidade, serve, na maioria das vezes, para reforçar os modelos pedagógicos mais tradicionais. A modernidade dos suportes não garante nada. Porque o medium é uma variável entre muitos outros no processo educativo; porque a ferramenta em si mesmo não conduz a nada, senão a uma possibilidade de mudança.

5 Original: A distância transacional não é exclusiva do ensino a distância; ela existe em todos os relacionamentos humanos e, por via de uma praxis histórica de centenas de anos, revela-se particularmente na sala de aula. Na sala de aula presencial (basta lembrar a aula magistral em auditório) e na sala de aula virtual (palestra em videoconferência síncrona ou assíncrona)

6 Original: Assim, à questão de se saber se este ou aquele meio é mais eficaz do que um outro, conviria substituir a seguinte questão: que atributos específicos de que medium são próprios para favorecer que processo de aprendizagem em função de que traços característicos do aluno e tendo em consideração a tarefa a cumprir. Investigações como estas começam apenas agora a fazer-se.

7 Original: O modelo didático tradicional faz do ato didáctico um ato de transmissão de um saber constituído de alguém que sabe, em direção a alguém que não sabe, segundo um itinerário estreitamente balizado. A imagem, e nomeadamente a imagem fílmica, é particularmente adequada para servir um outro modelo didáctico – gerativo e já não estrutural – o que faz do ato didáctico um processo de produção de sentido

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Rosa Maria Cardoso Dalla Costa et Lia Raquel Oliveira, « Nos ombros de gigantes : uma homenagem a Geneviève Jacquinot-Delaunay », Distances et médiations des savoirs [En ligne], 17 | 2017, mis en ligne le 23 février 2017, consulté le 21 août 2017. URL : http://dms.revues.org/1700

Haut de page

Auteurs

Rosa Maria Cardoso Dalla Costa

Universidade Federal do Paraná, Brasil
rmdcosta@uol.com.br

Lia Raquel Oliveira

Universidade do Minho, Portugal
lia@ie.uminho.pt

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
DMS-DMK est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Centre national d'enseignement à distance
  • Logo DOAJ – Directory of Open Access Journals
  • Revues.org